Postado em 29 de Outubro de 2016 às 10h01

Estudo aponta mais confiança no setor imobiliário

Construção Civil (1)
Civil Máquinas A confiança dos envolvidos no setor de imóveis (construtores, corretores e compradores) mostra o maior índice desde o primeiro semestre do ano passado. É o que aponta estudo feito pela Alphaplan,...

A confiança dos envolvidos no setor de imóveis (construtores, corretores e compradores) mostra o maior índice desde o primeiro semestre do ano passado. É o que aponta estudo feito pela Alphaplan, empresa especializada no serviço. Produzida em parceria com Sinduscon e Creci do Estado, a pesquisa começou em julho de 2015 e, desde então, apontava pessimismo no Índice de Expectativa do Mercado Imobiliário (Iemi),desenvolvido pela Alphaplan Inteligência em Pesquisas, com a cooperação técnica de Sinduscon, Creci e Rede Gaúcha de Imóveis. De acordo com os organizadores, o trabalho, nos moldes que foi feito, é inédito.

O Iemi é uma somatória de pontos baseada no que todos os envolvidos no setor pensam a médio, curto e longo prazos. Alguns dados de mercado também são analisados, e os números viram um índice, que vai de 0 a 200. Em julho do ano passado, o Iemi era de 84,2. Em janeiro, caiu para 74,2, o mais baixo índice registrado. Em setembro, na última medição divulgada, chegou a 109. Conforme a Alphaplan, zero é pessimismo total, 100 pontos significa estabilidade e 200 seria otimismo total.

– Os números vão continuar subindo, mas a velocidade pode ser menor. O processo de estabilização do setor é um pouco mais longo. Em um mês, pode cair um pouco, mas certamente a gente está em um caminho de recuperação – analisa o economista e diretor da Alphaplan Inteligencia e Pesquisa, Tiago Jung Dias, que avalia o mercado há 15 anos e desenvolveu o índice.

O analista acredita que, para crescer, o mercado da construção civil precisa trazer "propostas diferentes", sobretudo na parte financeira, para se adequar à crise. É preciso deixar claro para o consumidor que ele terá resposta financeira com o investimento, o que, para concretização do negócio, pode pesar mais do que a qualidade do empreendimento em si.

PREÇO AINDA É INCÓGNITA

Sobre o valor dos imóveis, ele avalia que a instabilidade do mercado impossibilita cálculos precisos.
– O mercado de imóveis residenciais ainda tem mais espaço para se desenvolver, é cíclico. Entrou em crise com o país, e agora volta a crescer. A gente espera que em 2021 esteja no topo, mas o caminho até lá é de recuperação, só depois vem o crescimento. Enquanto houver pressão do estoque nas incorporadoras, não dá para falar em aumentar o preço dos lançamentos – resume.

Entre todas as "pontas" envolvidas no setor, os mais otimistas são os que, normalmente, têm mais informações sobre o mercado: as incorporadoras. Na avaliação delas, atingiu 125,2 pontos. Os consumidores ficaram logo atrás, com 111,5. Os menos confiantes em uma recuperação a curto prazo são os intermediários dos negócios: os corretores. Entre as imobiliárias, o Iemi atingiu 90,3 pontos.

 

Fonte: www.obra24horas.com.br


Postado em 03 de Junho de 2015 às 14h00

Com PIB em queda, sindicato de SP projeta retração maior na construção

Ferramentas (2)
Civil Máquinas Novo Conteúdo 05 O Sindicato da Indústria da Construção Civil de São Paulo (SindusCon-SP) avaliou hoje (29), em nota, que a redução do Produto Interno Bruto (PIB), soma das riquezas...

O Sindicato da Indústria da Construção Civil de São Paulo (SindusCon-SP) avaliou hoje (29), em nota, que a redução do Produto Interno Bruto (PIB), soma das riquezas produzidas pelo país, “deverá impactar ainda mais o setor da construção civil”. A economia brasileira recuou 0,2% no primeiro trimestre deste ano, na comparação com o trimestre anterior (outubro, novembro e dezembro de 2014), segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A estimativa do sindicato é que o PIB da construção sofra queda de 5,5% neste ano na comparação com o ano passado. Diante do atual cenário de recessão, a expectativa da entidade é que o resultado seja pior. Em relação ao mesmo período do ano passado, a queda do PIB é 1,6%. Em 12 meses, ele acumula queda de 0,9%. Entre os segmentos industriais, a construção civil apresentou redução de 2,9% em relação ao primeiro trimestre de 2014.

Para o SindusCon-SP, o declínio da atividade da construção nos últimos 12 meses decorre da confluência dos seguintes fatores: diminuição dos investimentos, inflação, elevação dos juros, aumento do desemprego, redução da renda, diminuição da demanda por imóveis, atrasos de pagamentos do governo pelas obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e do Minha Casa, Minha Vida, além da dificuldade de obtenção de crédito imobiliário.

“No ajuste fiscal, os investimentos do governo sofreram profundos cortes, o que fará cair ainda mais o volume de obras", disse na nota o presidente do sindicato patronal, José Romeu Ferraz Neto. Ele comentou também a nova queda da taxa de investimentos anunciada pelo IBGE, de 1,3% em relação ao trimestre anterior e de 7,8% na comparação com o mesmo período do ano passado. “Esses números denotam que os investimentos seguem em deterioração, o que é muito prejudicial ao desempenho da construção”.

Fonte: www.agenciabrasil.ebc.com.br


Postado em 03 de Junho de 2015 às 13h59

Trenas a laser Bosch garantem eficiência e precisão

Ferramentas (2)
Civil Máquinas Novo Conteúdo 04 A Bosch apresentou, durante a Feicon 2015, suas novidades tecnológicas em trenas a laser, que proporcionam agilidade, precisão e conectividade aos profissionais, facilitando a execução...

A Bosch apresentou, durante a Feicon 2015, suas novidades tecnológicas em trenas a laser, que proporcionam agilidade, precisão e conectividade aos profissionais, facilitando a execução das tarefas nos canteiros de obras. Além disso, a empresa lançará um aplicativo que oferece ainda mais praticidade ao trabalho de arquitetos e projetistas.

Menor trena a laser do mercado

A Bosch apresentou durante a Feicon 2015 a GLM 30 Professional, a trena a laser que realiza medições intermediárias de até 30 metros, tamanhos com precisão milimétrica e a soma dos valores obtidos. Com base no conceito patenteado pela Bosch, todas as operações são realizadas com o apertar de apenas um botão, proporcionando facilidade na obtenção e, também, na leitura dos resultados.

A GLM 30 Professional, atende às necessidades de eletricistas, instaladores de Drywall, carpinteiros e construtores em geral. Devido à facilidade de manuseio e baixo investimento também pode ser utilizado para demandas domésticas e aplicações cotidianas.

Medição com conectividade

A GLM 100 C Professional é uma trena a laser com alcance de 100 metros que, combinada com o aplicativo "câmera de medição" Bosch, transfere os valores obtidos para tablets e smartphones, via Bluetooth, ou para computadores, por meio de conexão USB.

De fácil manuseio, o equipamento, que facilita o trabalho em canteiros obra, escritórios de arquitetura, engenharia, entre outros, realiza a medição em lugares de difícil acesso e permite o armazenamento dos dados, que podem ser acessados posteriormente. A exatidão do GLM 100 C Professional e seu raio de ação são certificados segundo a norma ISO 16331-1.

Fonte: www.bosch.com.br